CHOURIÇO TRADICIONAL DE QUIAIOS CHOURIÇO TRADICIONAL DE QUIAIOS
CHOURIÇO TRADICIONAL DE QUIAIOS CHOURIÇO TRADICIONAL DE QUIAIOS
CHOURIÇO TRADICIONAL DE QUIAIOS CHOURIÇO TRADICIONAL DE QUIAIOS
CHOURIÇO TRADICIONAL DE QUIAIOS CHOURIÇO TRADICIONAL DE QUIAIOS
CHOURIÇO TRADICIONAL DE QUIAIOS CHOURIÇO TRADICIONAL DE QUIAIOS
 
 

CHOURIÇO TRADICIONAL DE QUIAIOS – UM ENCHIDO TRADICIONAL À BEIRA-MAR

A Vila de Quiaios, localizada na região da Gândara, foi doada em 1122 pela Rainha D. Teresa, regente do Condado Portucalense, a Fernão Peres de Trava, fidelis da Rainha e seu vassalo, e fixou-se desde tempos imemoriais a cerca de cinco quilómetros do mar para o interior, resguardada da árida e inconstante orla marítima por um ciclo de dunas que retém águas potáveis em abundância.

Esta dualidade paisagística – entre a terra e o mar – justifica a dupla disposição gandaresa para a pesca e para a agricultura: por defeito marítimo, o homem gandarês reserva-se as épocas do defeso para o amanho da terra e a criação do seu porco, trabalhando o solo dunar para a prática da agricultura.

A complementaridade entre actividades económicas revestiu a criação familiar do porco de especial importância e cada família que pudesse dedicar uma parte do seu orçamento à criação do porco possuía, por regra, apenas um animal, que era alimentado com lavagem – as sobras da alimentação familiar, aparas de couve, restos de batata miúda e abóbora, e sêmea de milho.

A matança do porco, semelhante à praticada em toda a região centro de Portugal, fornece o sangue, as entranhas e alguma carne para o sarrabulho e os negritos, e dos lombos, padelas e costelas pouco gordos se produz uma “apaladada chouriça”, “com um tempero que a torna uma verdadeira especialidade” e que até “recentemente se vendia ao palmo” (Maurício Pinto, 1959).

Curado em vinha de alhos, o chouriço tradicional de Quiaios era, até aos anos de 1980, enchido na máxima extensão possível da tripa do porco pelo que chegava a atingir mais de um metro e ia ao fumeiro dobrado em duas ou quatro partes. Este exemplar original e de imemorial antiguidade do património gastronómico português manteve-se vivo nas mesas portuguesas graças às suas características únicas e a redes de distribuição regionais muito marcadas pela atractividade estival da Figueira da Foz e da região da Costa de Prata, sendo, pois, um produto de rica memória entre locais e visitantes, um cartão de visita da nossa praia.

Pó de Saber – Cultura e Património

 
Conteúdos da responsabilidade de CEVADAS - Casa das Carnes do Ervedal, Lda. Resolução de conflitos de consumo. Livro de reclamações. Política de Privacidade. Ver versão 1.0
Desenvolvido por Octágono. Todos os direitos reservados.